This Is Halloween

em sábado, 23 de novembro de 2013 com 0 Comentários
Oláááá todo mundo!

   Tudo bem com vocês? Como prometido, hoje tem mais novidades sobre a vida no Canadá e uma festividade que eu estava particularmente curiosa para conhecer: o dia das bruxas no hemisfério norte!

   Eu sei que nós temos uns projetos de festa de Halloween no Brasil, mas... Por favor, nunca será a mesma coisa, e você só vai descobrir quando participar de uma. É uma coisa grande aqui, sabe? E é muito legal! Então continue aí se quiser saber um pouco mais.



  Vamos começar com o pumpkin carving, ou a "escultura de abóbora" em tradução livre. Sim, meus amigos, eu esculpi abóboras! E foi muito divertido. A parte mais divertida é que foi de graça, tudo pago pelo orçamento para eventos da residência. E olha... É mais difícil do que parece e mais fácil do que você imagina.

   Claro, eu não fiz nenhuma obra de arte, mas me orgulho muito do meu trabalho. Eu imagino que as crianças se divirtam horrores fazendo isso todos os anos. Na verdade, toda a celebração me fez querer ser uma criança canadense, porque certamente a coisa é mais divertida para eles.

A minha é a da esquerda, ok? A da direita é obra da Surin :)
Com a vela dentro (porque eu descobri meio tarde que velas não são permitidas na residência... Oops.)
Este é o  outro lado da mesma abóbora. Sim, eu fui dodói da cabeça ao ponto de fazer dois lados. 
E essa aqui foi para o "concurso" no refeitório... Eu não estava nem tentando, só queria fazer mais uma :D só fiquei chateada de não terem me deixado trazer essa pra casa =/
   E na semana antes do Halloween, o departamento de música fez uma casa mal assombrada, na qual eu fui com a Maria, a Sunny, a Dain (roomie da Sunny) e a Surin (best roomie ever!). E foi muito divertido. Eu não conseguia parar de rir/gritar. Estava muito escuro, tinham zumbis se arrastando atrás de nós, e aquele boneco medonho do Jigsaw, e mais um monte de coisas estranhas. Eu tentei filmar tudo, mas vocês sabem que escuro não é o forte da minha câmera... Então o que eu consegui foi:
  1. Alguns momentos de luzes indistintas e flashes;
  2. Minha roomie quase chorando e tentando arrancar meu braço;
  3. Um mini ataque cardíaco na parte que tinha um corredor completamente escuro e os "montros" pulavam em cima de você quando você passava;
  4. Uma trilha sonora sinistra de fundo;
  5. Tudo isso em cinco minutos de risos/gritos enquanto a tela está quase completamente escura;
  6. O vislumbre de um cara com um saco pintado na cabeça e um machado correndo atrás de nós no final.
   Eu queria muito que o vídeo tivesse ficado bom porque a ida até lá foi legal pra caramba, mas fazer o quê, né? Não vou postar um vídeo de 5 minutos de tela preta e poucos flashes de luz u.u

  E então chegou o grande dia: 31 de outubro.
 
   O escritório internacional fez uma festinha da "área de convivência" da biblioteca. Aliás, as festinhas do escritório internacional são sempre lá. Foi até bem legal. Tinha música esquisita, decoração coisas estranhas dentro de caixas escuras para você colocar a mão... E donuts pendurados no teto para você tentar comer. É mais difícil do que parece.









   A parte engraçada é que dia das bruxas não é feriado aqui. Nem o dia seguinte. Mas mesmo assim as pessoas só comemoram no dia, e caiu numa quinta! Mesmo assim eu tinha me programado para ir à festa no pub da universidade, The Wave. Eram os únicos planos para o meu dia, a fantasia estava comprada e tudo mais... Aí eu fiquei sabendo do Trick or Eat. A UPEI e seus alunos mais envolvidos são cheios dos eventos de caridade, e a ideia deste era reunir alguns alunos bem dispostos a pôr fantasias e sair de porta em porta... Pedindo doações de alimentos não perecíveis para o banco de comida canadense. É claro que eu não podia perder essa!

    Mas eu não queria usar minha fantasia da noite, então fui até a Dollarama e improvisei uma bem tosca...
Sim, uma fada mais do que clichê. Não dá para ver minhas asas, mas eu as tinha. Azul brilhantes, para combinar com a varinha e a minha meia calça. E também esse "aquecedor de pescoço" (não sei como chamar isso, não é exatamente um cachecol). As luvas foram só para tentar me manter aquecida, estava frio pra caramba nesse dia e qualquer casaco iria arruinar a fantasia... Falando nisso, onde andam essas luvas? oO
   E o trick or eat foi tão bom porque eu tive a experiência de ir de porta em porta fantasiada, mesmo que não fosse para pedir doces. E as pessoas me davam doces mesmo assim, apesar de algumas agirem mais ou menos como um velhinho que abriu a  porta, olhou para nós e soltou um: "vocês não são exatamente crianças para estar pedindo doce". Mas tudo bem, um vez explicado porque estávamos lá, as pessoas sorriam e iam buscar comida.

   Estávamos indo de casa em casa em duplas, e eu acabei indo com o Patrick, o que foi muito legal porque ele é canadense, então foi me contando como é Halloween no Canadá e como as coisas mudaram de uns tempos para cá. Por exemplo, ele me disse há muita preocupação com a saúde das crianças hoje em dia, então muitos pais de filhos diabéticos saem pela vizinhança no dia anterior distribuindo brinquedos e/ou doces sem açúcar, descrevem a fantasia do filho e pedem para as pessoas entregarem aquilo à criança, assim ela não vai ficar frustrada de não poder ir pedir doces ou simplesmente não poder comer o que conseguiu.

    Maaaas a noite estava longe de acabar. Mais tarde tinha a tão falada festa de Halloween da universidade e eu estava indo com a minha fantasia original.

Dain, Leoni, Surin e eu :)
   E foi uma noite de curtição, muita música, diversão, sustos... Só que não.

   Não, não to de sacanagem. Eu me decepcionei MUITO com essa festa e a única parte levemente divertida era observar as fantasias. Aparentemente, Halloween aqui é a desculpa para sair semi nua na rua que as meninas não têm no carnaval. O que reforça aquela hipótese de que piriguete não sente frio, porque, gente do céu!, tava 2°C aquela noite e as meninas todas de roupas minúsculas sem sequer uma jaqueta por cima! E estava chovendo! Acredite, se você achou as roupas da foto acima pequenas, é só porque não viu as outras. E sim, eu levei um casaco enorme até lá porque tava frio pra cacete do lado de fora, mas mandei guardar quando cheguei lá, né? Meu comentário sobre as pessoas sem casaco foi o que vi do lado de fora do prédio.
    Mas não foram as roupas curtas que me incomodaram, afinal o que os outros vestem não é da minha conta (o que não me impede de comentar...). O que me incomodou de verdade é que eu esperava uma festa da universidade, com pessoas dançando e bebendo feito gente. O que eu encontrei foi um bando de adultos agindo como pré-adolescentes de 13 anos que nunca viram álcool na vida. Oi? Gente, por favor, tem coisa mais ridícula e infantil do que gente com mais de 20 anos na cara ir pra uma festa, beber até perder os sentidos e se achar o máximo por causa disso? Do tipo: "Uau, que legal, você não sabe beber, aplausos, por favor". Eu não tenho nada contra quem bebe, mas vamos ser civilizados, né? Uma pessoa aqui ou ali bêbada caindo é uma coisa, uma salão cheio delas é outra.
   E o pior: foi dia de aula, todo mundo se viu de manhã, todo mundo perguntava quem ia pra festa, todo mundo sabia quem ou ia ou não estar lá... E quando se viam, era isso que acontecia:


   E não, não era por bebedeira porque eram apenas 10h da noite, as pessoas estavam chegando na festa. Então eu passei boa parte da noite assim:

   Dói. Dói no fundo da minha alma admitir o que vou escrever agora, mas, na boa? Passei dessa idade.

   Resumindo: o Halloween é uma festa muito divertida, mas nunca mais irei a outra festa da universidade na minha vida.

   Então gente, vou fincando por aqui e espero que vocês tenham gostado. Deixe seu comentário compartilhando suas ideias e nos vemos, provavelmente, semana que vem. O natal está chegando e tem um monte de coisa legal acontecendo na cidade por isso, mas não sei se vou ter tempo de postar porque está chegando este período:

"Preparem-se, as provas finais estão chegando"
   Beijooos a todos!

0 comentários:

Postar um comentário